História

História do Plastimodelismo – Monte E Faça A Sua História

Este conteúdo também está disponível em vídeo. Clique para assistir.
História do plastimodelismo
Share on Facebook1Share on Google+0Pin on Pinterest0Tweet about this on Twitter

Venha conhecer a história do plastimodelismo, um hobby que nasceu por causa de uma guerra e que rapidamente se tornou sucesso no mundo todo!

Para começar nossa história, vamos definir o que o modelismo.

Modelismo nada mais é do que reproduzir em escala reduzida, ou não, e com riqueza de detalhes, algum objeto, personagem, monumento, enfim, qualquer coisa, utilizando diversos materiais, como madeira, gesso, argila e diversos outros.

O modelismo serve para diversos propósitos, como industrial e arquitetônico, terapêutico e até militar, inclusive este último é justamente o início da história do plastimodelismo.

Exemplos de modelismo em madeira, gesso e argila

Exemplos de modelismo em madeira, gesso e argila

Mas antes de começarmos a contar a história do plastimodelismo, vamos também defini-lo: O plastimodelismo é uma das vertentes mais conhecidas do modelismo que se utiliza de plástico para suas criações, e bem difundida justamente por se utilizar de um material barato e de permitir a inexperientes modelistas criarem peças extraordinárias.

Kit de plastimodelismo e modelo finalizado

Kit de plastimodelismo e modelo finalizado

O Surgimento Do Plastimodelismo

Agora que você já está contextualizado vamos contar sobre o surgimento do Plastimodelismo.

Leo Baekeland

Leo Baekeland

Era início dos anos 10 quando um americano chamado Leo Baekeland, professor assistente de química, inventou o que ficou conhecida como a primeira resina plástica, a sintética Baquelite.

Entre final dos anos 30 até meados dos anos 40, foi justamente esta resina que auxiliou os exércitos americanos durante a segunda guerra mundial.

Imagine o cenário: Um mapa de uma determinada região sobre a mesa em um campo de batalha. Os generais e estrategistas de guerra precisavam representar tropas, tanques, aviões e navios neste mapa para que suas tropas entendessem a estratégia pretendida.

Plastimodelismo na guerra

Pois bem, o governo dos Estados Unidos contratou duas empresas: a Cruver Company de Chicago e a Design Center de Nova York, para reproduzirem, em escala reduzida, navios, blindados e aviões.

Essas peças, que eram reproduzidas em detalhes, serviam também para que os artilheiros e pilotos pudessem distinguir mais facilmente entre veículos amigos dos veículos inimigos.

Portanto, o plastimodelismo foi mais uma de tantas evoluções que surgiram em função de guerras, porém, para nossa alegria, ele foi continuada.

Plastimodelismo do Pós-guerra

As fábricas, que já detinham o Know-how da fabricação, entenderam o potencial das até então “miniaturas de veículos militares” e passaram a comercializar em forma de simples brinquedos infantis.

Percebendo ainda o potencial para atingir também o público adulto, nasceu a forma de comercialização dos kits de plastimodelismo com peças mais detalhadas, as mesmas que conhecemos hoje, e que tanto amamos.

Uma dessas linhas de kits era a Aristo-Craft da empresa Polk’s Hobbies de Nova York. Que você pode ver neste catálogo datado de 1948.

Platimodelismo - Anúncio Aristo-Craft (1948)

Anúncio Aristo-Craft (1948)

O sucesso dos kits foi imediato, mas a produção até início dos anos 50 era rudimentar, a partir de então, com a evolução dos materiais plásticos, os kits foram ficando mais detalhados e de melhor qualidade, ganhando mais espaço e mais mercado.

Com as vendas crescendo, diversos fabricantes surgiram, porém não seguiam um padrão de escala para os produtos, o que gerou um problema quando não satisfazia o perfeccionismo dos modelistas.

Algumas fábricas, percebendo isso, resolveram padronizar as escalas de seus produtos e adotaram o sistema anglo-saxão de medidas, com a qual se convencionou que a figura humana representaria 1” (uma polegada).

Conforme conta o site spmodelismo.com.br, “Como a altura média do americano era 1,77m, o que daria 5’10” (5 pés e 10 polegadas, ou 70 polegadas (1 pé = 12 polegadas = 304,8mm)), resolveu-se arredondar para 6’ (6 pés = 72 polegadas = 1,83m) e dividir por 72, assim, uma figura humana teria exata 1” (1 polegada = 6 pés), portanto, bastaria olhar um modelo nessa escala (1/72), calcular quantas polegadas ele teria, multiplicar por 6, e se saberia o tamanho do objeto real (em pés).”

Mas se todos os modelos fossem produzidos na escala 1:72, muitos detalhes precisariam ficar de fora, portanto, nasceram as escalas 1:48, 1:32, 1:24, 1:18 e muitas outras.

Representação das escalas 1:18, 1:24, 1:32 e 1:72

Por outro lado, representar objetos muito grandes se utilizando dessas escalas seria muito trabalhoso, portanto, mesmo em detrimento aos detalhes, outras escalas surgiram no mercado como a 1:144 ou ainda para objetos maiores como embarcações, por exemplo, escalas como 1:200, 1:350 até 1:1000, entre outras.

Escalas para objetos maiores

Plastimodelismo No Mundo

Como já adiantamos, o sucesso que essa modalidade de modelismo atingiu foi instantâneo e não poderia deixar de se espalhar pelo mundo.

Nos anos 50, a produção nos Estados Unidos, mercado pioneiro no plastimodelismo, contava com fábricas como Soon Pyro, Aurora, MPC, IMC, AMT, Revell, e ainda algumas outras de menor peso.

Plastimodelismo - Algumas marcas nos EUA - Anos 50

Mesmo os Estados Unidos liderando o mercado nos primeiros anos do plastimodelismo, eles não detiveram o monopólio por muito tempo. Na Europa e no Oriente existem fábricas de grande expressão, principalmente no Japão, onde o plastimodelismo é muito forte.

Algumas das fabricantes europeias e orientais inclusive já superaram e muito na qualidade de seus produtos em relação ao mercado norte-americano.

Hoje podemos citar como umas das principais fabricantes de kits de plastimodelismo, a Tamiya e Hasegawa (Ambas do Japão), AMT e Revell (EUA), Italeri (Itália), Heller (França) e Trumpeter (China).

Plastimodelismo - Principais marcas atuais

Um vídeo muito interessante, feito pela Revell em 1991, mostra todo o processo de fabricação de um kit. Pelo vídeo podemos perceber como a confecção de um modelo era uma verdadeira obra de arte nos anos 90 com a ajuda dos computadores. Depois de ver o vídeo tente imaginar como se fazia isso desde os anos 40.

Plastimodelismo No Brasil

O sucesso do plastimodelismo chegou também em terras brasileiras, e o aparecimento dos primeiros kits de plastimodelismo no Brasil tem um contexto histórico muito interessante.

Era início dos anos 60, quando uma empresa brasileira de importação de material fotográfico chamada Estúdio Fotográfico Arno Kikoler percebeu um potencial de venda dos produtos que começavam a se espalhar pelo mundo.

Um funcionário do estúdio, Maurício Nhuch, em visita a Nova York viu pela primeira vez um kit de plastimodelismo sem entender muito bem do que se tratava. Ao invés do kit, trouxe da viagem um trem elétrico da Lionel, mas que em seguida colocou-o à venda.

Foi justamente o comprador deste trem, pensando que Maurício tivesse outros produtos, perguntou-o se ele não teria kits de plastimodelismo, foi aí que Maurício teve a grande ideia que traria os primeiros kits ao Brasil.

Ao entender do que se tratava os kits, e lembrando do produto que viu na viagem, perguntou ao comprador do trem quanto pagaria por um kit desses, e o preço proposto foi bem expressivo.

Bem, agora para encurtar a história, Maurício convenceu o Sr. Kikoler de que importar e revender esses kits no Brasil seria um ótimo negócio. Em contato com a Revell e conferindo as tarifas alfandegárias da época, viram que a ideia daria certo.

Plastimodelismo - Logo kiko (Kikoler)

Antes mesmo de chegar a primeira remessa no Brasil, a maior parte dos kits já tinham destino certo: Grandes lojas que haviam pago antecipadamente pelo produto e que de certa forma financiaram esta primeira empreitada.

Com o lucro das primeiras vendas, foram possíveis fazer mais 2 ou 3 importações de kits até que a Kikoler teve a ideia de fabricar kits Revell no Brasil, com moldes vindos dos Estados Unidos.

A Revell aceitou na hora, uma vez que já trabalhava desta forma com outros fabricantes em diversos países. Os moldes permaneciam por 2 semanas no Brasil e voltavam.

E foi assim que a Kikoler recebeu os primeiros moldes: O avião de passageiros Boeing 707, o avião da II Guerra Liberator B-24 e o avião militar mais moderno para a época, o B-52.

Plastimodelismo - Primeiros kits Kiko

Primeiros kits Kiko

De todo o material para produção, apenas os moldes eram importados, o restante era nacional, até mesmo o plástico. A produção era terceirizada, inclusive por uma coligada da TROL S.A., que futuramente também começou a fabricar kits de plastimodelismo.

Além dos kits Revell, cola e tinta para os modelos, a Kikoler também comercializou kits das marcas MPC, IMC, Heller, Airfix e Monogram.

Plastimodelismo - jogos de tintas Kiko

Nos anos 80 a japonesa Tamiya, instalou-se no Brasil, já de olho no mercado criado pela Kikoler. Atualmente a Tamiya Brasil não fabrica nacionalmente, apenas importa e distribui.

No início dos anos 90 muita coisa aconteceu: infelizmente a Kikoler encerrou suas atividades, porém o governo Collor pôs fim às reservas de mercado e iniciou a abertura da economia, o que diminuiria os encargos das importações e mudaria para sempre o cenário do plastimodelismo no Brasil.

Era o que faltava: Com a facilidade de importar os kits, o mercado não poderia reagir de forma diferente se não trazendo produtos de diversas marcas para serem revendidos no país.

Sendo assim, com a saída da Kikoler, as maiores empresas brasileiras que vendiam os kits eram a ATMA, TROL, Glasslite e a Estrela, com kits da Revell.

Plastimodeliismo - Alguns modelos ATMA

Alguns modelos ATMA

Plastimodeliismo - Alguns modelos TROL

Alguns modelos TROL

Plastimodeliismo - Alguns modelos Glasslite

Alguns modelos Glasslite

Plastimodeliismo - Alguns modelos Estrela

Alguns modelos Estrela

Dessas empresas apenas a Estrela ainda está em atividade, porém não mais comercializa os kits.

De lá pra cá o plastimodelismo cresceu tanto que hoje, em 2016, mais de 40 marcas relacionadas ao plastimodelismo são encontradas em lojas especializadas do ramo, entre algumas delas: Revell, Tamiya, AMT, Academy, Airfix, Monogram e Trumpeter.

Eventos Plastimodelismo

Como o hobby é considerado solitário, existem anualmente diversas exposições, workshops, oficinas e convenções pelo Brasil e pelo mundo.

Entre os principais eventos brasileiros estão a Convenção de Plastimodelismo do GPPSD (SP), a Convenção e Open do GPBH (MG) e a Convenção da APRJ (RJ).

29ª Convenção de plastimodelismo do GPPSD

29ª Convenção de plastimodelismo do GPPSD

E um dos principais eventos internacionais é o Hong Kong Open Model Competition, que acontece na metrópole chinesa e é um verdadeiro espetáculo! Confira no vídeo abaixo, um pouco da edição de 2015:

Lojas Especializadas

Para você que já é fã dos kits ou quer começar no hobby, saiba que precisará de paciência acima de tudo e de materiais básicos como colas, tintas e, claro, os kits, cujos preços não são nada salgados, pelo menos os básicos.

Como já adiantamos, a facilidade de importação e a popularização do Hobby criou um cenário perfeito para que empresas começassem a comercializar esta linha de produto, e hoje em dia não é raro encontrarmos muitas opções no mercado nacional.

Loja Pro Hobby

A Loja carioca Pro Hobby, parceira do mini Ás neste artigo, é uma excelente opção para você que quer adquirir os seus kits de plastimodelismo e todos os acessórios que o Hobby exige.

Além do plastimodelismo, a Pro Hobby trabalha com aeromodelismo e nautimodelismo, tintas e acessórios…Tudo em um só lugar! Então passa lá no Shopping Conviva Américas, na Barra da Tijuca/RJ para conhecer a maior loja de hobbies das Américas! Acesse também a página no facebook: https://www.facebook.com/lojasprohobby

Pro Hobby

Loja Pro Hobby

Kit Plastimodelismo - 1996 Ford Explorer 4x4

E falando na loja Pro Hobby, eles nos enviaram um super kit de plastimodelismo para sortearmos para um de nossos espectadores. Bacana, não?

Este kit do carro 1996 Ford Explorer 4×4, é nível de dificuldade 2, escala 1/25, da marca AMT. E ele pode ser seu! Para concorrer leia até o final e vá para a página do sorteio.

Revistas Especializadas

Para os praticantes do hobby o que também não pode faltar é pesquisa histórica sobre o modelo que se está montando, e nisso eles são incansáveis.

Por sorte, existe uma série de revistas e livros especializados no assunto, que além de apresentar técnicas de plastimodelismo e ensinar a montar modelos, fazem reviews de novos produtos.

As revistas mais conhecidas são internacionais como a Wingmasters e a Steel Masters, que podem ser compradas através do site Histoire & Collections.

Plastimodelismo - Revistas mais famosas

Uma notícia fresquinha é que o Brasil também ganhou recentemente uma revista especializada em plastimodelismo. Isso mesmo! A revista “Em Escala”, produzida pelo pessoal da MS Publicações, parceira do mini Ás neste artigo, teve sua primeira edição lançada agora em Agosto/2016.

Plastimodelismo - Revista brasileira Em Escala

Em Escala – Revista brasileira

Segundo todos os especialistas da área, essa primeira edição está sensacional! Com ela você aprende como montar alguns aviões da FAB, vai ler review sobre tintas e acessórios e, claro, aprender novas técnicas.

Ficou interessado né? As revistas Em Escala podem ser compradas nas seguintes lojas:

– Plastic Kits (www.plastickits.com.br)
– Hobbycraft (www.hobbycraft.com.br)
– Horiginal Modelismo (www.horiginalmodelismo.com.br)
– Lima Hobbies (www.limahobbies.com.br)

A MS também nos enviou um exemplar, desta primeira edição, para sortearmos para um de nossos espectadores! Muito bacana, não? Ela pode ser sua! Para concorrer leia até o final e vá para a página do sorteio.

Blog especializado e Canal youtube

Uma última dica bacana para os apaixonados por plastimodelismo é o blog spruemaster.com, do modelista Lucas Rizzi. O blog é super especializado no assunto e traz dicas, novidades e uma série sensacional no Youtube, que é o Kit com Cerveja. Não deixe de conhecer e assistir!

Além de todas essas dicas poderíamos ficar por muitos parágrafos dando diversas outras dicas sobre esse universo tão rico do plastimodelismo, que é um hobby definitivamente apaixonante.

A prática do hobby requer muito mais que técnica na montagem, ela requer capricho, paciência, criatividade e muita pesquisa. No fim do processo de montagem de um modelo você não tem uma simples peça para enfeite, você tem a certeza que passou momentos de tranquilidade e diversão, além de ter enriquecido os conhecimentos gerais através das pesquisas históricas, ou simplesmente pelas observações dos detalhes.

O plastimodelismo também é muito democrático, pois consegue abranger uma série de categorias de modelos, o que permite você montar sua coleção com o assunto que mais lhe interessar, como militaria; aviões e helicópteros; navios, submarinos e barcos; carros, caminhões e carros de competição; figuras humanas, bustos e animais; construções e obras de arte, e por aí vai.

Gostou né? O que você está esperando para entrar nesse mundo do plastimodelismo?

Quem sabe não é através do nosso sorteio? Mas antes de ir para a página do regulamento do sorteio e saber como participar, não esqueça de deixar seu comentário logo abaixo contando sua história com o plastimodelismo. Vamos ficar contentes em poder compartilhar.

SORTEIO do kit + revista: Clique aqui para ser redirecionado para a página do regulamento do sorteio.

Gostei(5)Não Gostei(0)
(Visto 32 vezes)
Share on Facebook1Share on Google+0Pin on Pinterest0Tweet about this on Twitter

Este artigo chegou ao fim, diga se gostou abaixo. Leia outros artigos da categoria História

Se você também é um apaixonado por miniaturas como nós, deixe seu e-mail para receber as novidades do blog gratuitamente.


Fique tranquilo, não enviamos spam.

6 Comentários

  1. Paulo

    ....amigo(os) do blog MiniÁs vocês não imaginam como foi importante encontrar um blog como esse de vocês, há tempos vasculho na "net" algo a respeito; na verdade onde moro há pouquíssimas possibilidades de encontrar pessoas que tenham interesse por plastimodelismo; as dicas que estão no blog foram de grande importância; um grande abraço!!!, o blog já foi adicionado aos favoritos.

    Gostei(0)Não Gostei(0)
    • Equipe mini Ás

      Que bacana Paulo! Ficamos muito felizes em saber que você gostou do artigo e que ele te ajudou. O plastimodelismo é mesmo um hobby muito apaixonante! Boa sorte e um grande abraço!

      Gostei(0)Não Gostei(0)
  2. Gilberto M. Moreira

    Sou um apaixonado por miniaturas em escala, e muito me chamou atenção conhecer sobre o plastimodelismo, me acrescenta muito as informações e novidades do blog Mini Ás, veleu mesmo!

    Gostei(0)Não Gostei(0)
    • Equipe mini Ás

      Que bacana Gilberto! Ficamos muito felizes por isso!
      Obrigado pelo prestígio!
      Grande abraço!

      Gostei(0)Não Gostei(0)
  3. Vlamir Bueno

    Curti, primeiro, pra apoiar o blog, que só descobri graças às notificações da pág. no facebook do colega Mario Serelle (MS Publicações). Segundo, curti ver que parte do artigo que escrevi sobre escala, e que está publicado na spmodelismo.com.br, foi usado. E terceiro, mas não menos importante, poder concorrer ao kit e à revista. Abração, e sucesso.

    Gostei(0)Não Gostei(0)
    • Equipe mini Ás

      Valeu Vlamir! Boa sorte no sorteio...
      Grande abraço!

      Gostei(0)Não Gostei(0)

Deixe um comentário